Quarta-feira, 9 de Novembro de 2005

Missa

No outro dia calhou ir à missa, nunca tinha ido. A primeira coisa que reparei foi na quantidade de gente constipada, o que foi pena, porque o silêncio estava constantemente a ser interrompido por tosses e outro tipo de roncos e ruídos guturais.

Por fim lá apareceu um senhor vestido com uma coisa verde e uma saia branca até aos pés, que devias ser importante, porque toda a gente se levantou. Eu, depois de uns quantos olhares em que senti alguma recriminação, decidi levantar-me e colaborar no espírito de abertura e amor universal.

A coisa começou por prometer, quando o senhor verde disse “felizes os convidados para a ceia do senhor”. Porreiro, dão jantar, pensei. Mais tarde é que vi que o jantar era composto exclusivamente por uma fina bolachinha de pão branco, em que ainda por cima esqueceram-se de por sal. Também havia vinho mas devia ser pouco porque só o verde é que bebeu.

Às tantas passaram um cestinho com moedas, mas achei por bem não me servir, o dinheiro podia fazer mais falta a outros. Ainda por cima, pensava eu, o jantar estava assegurado. Se fosse agora talvez tivesse aceite uns euros para ir jantar.

Gostei da parte em que uma senhora se levantou e foi ler umas coisas. Achei que seria meu dever contribuir e fazer o mesmo. Aproveitei que tinha comprado o 24Horas, subi a uma espécie de palanque e comecei a ler um artigo muito interessante sobre sexo seguro, mas por azar, o verde e mais umas quantas senhoras resolveram desmaiar nessa altura e tive que interromper.

Um parte que não entendi foi quando, estando eu concentrado na decoração do espaço – repetitiva, à base de cruzes – começou toda a gente a beijar-se, tendo algumas senhoras puxado violentamente o meu braço, espetando um bigodudo beijo na minha face. Por momentos receei que aquilo fosse descambar para um bacanal e vendo-me perante a perspectiva de carne feminina que se me oferecei às vista – digamos que seriam poucas as que teriam nascido depois de Mário Soares – e o aspecto algo efeminado do gajo de verde e saia, achei melhor ir para a fila do jantar e pirar-me depois.

Acabei por comer a bolacha e bazei para ir despachar umas sandes de coirato e uma mines.


Arcebispo de Cantuaria

publicado por joao moreira de sá às 11:34
linque do post | Ir ao Confessionário | favorito
1 comentário:
De Reivindicador a 10 de Novembro de 2005 às 22:33
Gostei deste post Sr. Arcebispo. Realmente é um pouco a visão que eu tenho das missas tambem, quando lá vou o Verdinho, que por vezes é branco fala, fala e não diz nada. Claro que depois fico chateado e tambem vou beber umas jolas. Estranho, é que com tudo isto continua a ir lá muita malta. Parece a malta que vota no PS e PSD, passam a vida a F....-los e mesmo assim continuam a votar neles.


Comentar post

Outras escritas

Quem???

Uma mente delirante e não muito normal encerrada num corpo com 44 anos (embora um teste da Sábado diga que na realidade tenho 47... já estive mais longe, tenho que repetir o teste). Presentemente desempregado mas com boas perspectivas de conseguir vir a trabalhar num call-center. Escrevo porque não gosto lá muito de falar e como irresponsável que sou, acredito que um dia ainda irei conseguir ser pago para escrever, o que já vai demorando um bocado...
jmoreiradesa@gmail.com

pesquisar neste belogue

 

Arquivos da Cantuária

tágues

todas as tags

subscrever feeds

Porque nem só de trocadilhos vive um Arcebispo:

Manjares do Arcebispo" (2ª edição disponível em paperback 11.35€ e e-book download 2,50€)



COMPRAR ONLINE: BUBOK





MAIS INFORMÇÃO